Atividades de Formação 2017.2 – Fortaleza-CE

Atividades de Formação 2017.2 – Fortaleza-CE

CLIO – Associação de Psicanálise

SEMINÁRIOS DE FORMAÇÃO 2017.2


Seminários em dias de terças e quartas às 20h.

Início das atividades: 12 de Setembro de 2017 às 20h

Local: CLIO – Associação de Psicanálise

Av. Dom Luís, 176, sala 1104 – Aldeota – Fortaleza – Ceará

Investimento:

Estudantes de Graduação – 3x R$140,00

Profissionais – 3x R$200,00

Inscrições

Interessados devem entrar em contato com: Ricardo Pinheiro  (85)98702-6898 ou Camila Guimarães (85)99998-8246


SEMINÁRIOS ÀS TERÇAS-FEIRA

A Clínica do sujeito e o mal de Alzheimer

O Real e o Gozo – paradoxos no ethos psicanalítico

Tópico: Esquecimento no corpo Inconsciente e Lalíngua.

Tratando o inconsciente como efeito do discurso do Outro, o esquecimento produzido por esse efeito nunca é de todo exitoso, pelo fato único de que o que está para ser esquecido constitui o sujeito.  Uma conseqüência é que mesmo diante da falta de Memorização, algo insiste na constatação de que o sujeito está lá no corpo pulsional e no esvaecimento do Laço. Resta o caminho do falasser como dispositivo inconsciente.

Responsável: Henrique F. Carneiro

O sujeito compreendido pela psicanálise é aquele que se encontra no constante impasse da sua condição desejante. Na lição lacaniana, sabe-se que o desejo subjetivo é sempre o desejo do Outro e que o Real “não cessa de não se escrever”. Nas tentativas de responder às demandas do Outro e de apreender o inapreensível é que emergem as construções subjetivas, aí residem as apostas do psicanalista. Entretanto, o que ocorre quando, aparentemente, tal lógica subjetiva está enfraquecida ou quando o sujeito desconstrói para não construir um sustentáculo para seu desejo? O seminário atual pretende discutir tal problemática a partir da perspectiva clínica envolta nos paradoxos do Gozo nos movimentos subjetivos diante do Real.

Responsável: Ricardo Pinheiro

SEMINÁRIOS ÀS QUARTAS-FEIRA

As tragédias Gregas e o entrelaçar com a psicanálise

Pulsão de Morte e Gozo: repercussões na teoria e clínica psicanalítica – parte 2

O objetivo desse seminário e construir um entrelaçar entre o saber da psicanálise da tragédia grega para refletir o que elas têm a falar sobre a paixão/ phatos humano.  As tragédias gregas, assim como a psicanálise, nos falam sobre: o amor, o sexo, e a morte, e são essas as temáticas que serão debatidas nesse seminário. Por isso se busca a tragédia para trabalhar a temática em um retorno ao mítico para debater temas como o parricídio e filicídio na dinâmica da subjetiva do homem.

Responsável: Camila Guimarães

A Pulsão de morte reconduz a teoria psicanalítica aos seus trilhos em função daquilo que se articula à sexualidade, ao amor, a vida e a morte. O impulso à repetição é mais forte que o impulso ao prazer. Constatação freudiana que, através dos desdobramentos narcísicos, abala os fundamentos da Psicanálise. Passados quase 100 anos, o conceito de pulsão de morte, aliado aos desenvolvimentos lacanianos em torno da dimensão do gozo, questiona o saber do analista em função das sintomatologias de nossa época. O presente seminário tem como objetivo percorrer este percurso em Freud e Lacan apontando para o redimensionamento de uma escuta clínica atenta aos efeitos sutis e silêncios do gozo em nosso tempo.

Responsável: Thiago Costa