Atividades de Formação 2016.2 – Garanhuns-Pe

CLIO – Associação de Psicanálise

Atividades de Formação 2016.2


Seminário I: Clínica introdutória sobre a aposta no sujeito no mal de Alzheimer

A partir da incidência de episódios desencadeadores de quadros clínicos de desorganização subjetiva, a palavra e a resposta, tomadas pelo corpo, na desordem do esquecimento, apresentam um sujeito preso nas malhas da repetição. Com isso, a clínica do sujeito com mal de Alzheimer trabalha com uma invasão de formações inconscientes, movidas por uma força psíquica avassaladora, pela ação da Pulsão de Morte, que empurra o sujeito na direção de uma dinâmica psíquica essencialmente regressiva. Desta forma, o desejo, a palavra e o corpo se apresentam fusionados, e quase imperceptíveis à escuta, a não ser que o desejo do analista ocupe, de fato, uma posição que vá além da escuta do simbólico, e possa perscrutar o sujeito pela via do fragmentário texto que insiste em La Langue, lugar onde essa fusão demanda a clínica do real. Um autêntico trabalho a ser feito pelo rastreio da posição do inconsciente, ali onde ele aparece nos efeitos desse corte.

Responsável: Henrique F. Carneiro


Seminário II: Sujeito, Identidade e Identificações: afinal, o que somos? (Parte II)

Propomo-nos a aprofundar as questões do sujeito em psicanálise, a partir da problematização dos conceitos de identidade e de identificação. Afinal de contas, o que somos? Como construímos uma imagem que nos traz a sensação de sermos nós mesmos? E, nesse sentido, em meio à massificação cultural da atualidade, como podemos pensar a própria identidade do sujeito? Os fundamentos psicanalíticos sobre Narcisismo, Sexualidade, Complexo de Édipo e Significante serão revisitados, a fim de articularmos as armadilhas fomentadas pelo discurso capitalista, que influenciam a construção de diagnósticos pueris e apagam a posição subjetiva do sujeito na cena clínica.

Responsável: Thiago Costa Matos


Seminário III: Da práxis do analista à ética trágica da Psicanálise

A partir das discussões em torno da concepção de angústia na clínica psicanalítica, da posição e do ‘desejo maior’ do analista, o objetivo deste seminário parte do questionamento: se o analista atua de acordo com a manutenção da condição desejante do sujeito e, também, com intervenções no campo da retificação subjetiva, como tal prática coloca o sujeito diante dos limites do seu desejo? Os encontros seguirão a articulação lacaniana de Kant com Sade e a tragédia de Antígona no interesse de uma problematização da dimensão ética do desejo em Psicanálise.

Responsável: Ricardo P. Maia Jr.


Início das atividades: 03/09/2016

Investimento

Profissionais – 3x R$180,00

Estudantes de Graduação – 3x R$120,00

Interessados devem entrar em contato com Zil Pontes, pelo fone: (87) 9 9614 4208. Os interessados em ingressar na CLIO poderão  assistir os seminários do sábado (03/09) e no final às 17h farão as entrevistas com Thiago e Ricardo.

Os seminários acontecem nas terças-feiras , quinzenalmente, das 19h às 22h, com o professor Henrique Carneiro e um sábado por mês com os Professores Thiago Costa e Ricardo Maia.

Para maiores informações: cliopsicanalise@gmail.com


CLIO – ASSOCIAÇÃO DE PSICANÁLISE

 

 

Atividades de Formação – 2016.2 – Fortaleza-CE

Atividades de Formação – 2016.2 – Fortaleza-CE

CLIO – Associação de Psicanálise


Atividades de Formação 2016.2
Sessão Fortaleza

Seminário I: Clínica introdutória sobre a aposta no sujeito no mal de Alzheimer

A partir da incidência de episódios desencadeadores de quadros clínicos de desorganização subjetiva, a palavra e a resposta, tomadas pelo corpo, na desordem do esquecimento, apresentam um sujeito preso nas malhas da repetição. Com isso, a clínica do sujeito com mal de Alzheimer trabalha com uma invasão de formações inconscientes, movidas por uma força psíquica avassaladora, pela ação da Pulsão de Morte, que empurra o sujeito na direção de uma dinâmica psíquica essencialmente regressiva. Desta forma, o desejo, a palavra e o corpo se apresentam fusionados, e quase imperceptíveis à escuta, a não ser que o desejo do analista ocupe, de fato, uma posição que vá além da escuta do simbólico, e possa perscrutar o sujeito pela via do fragmentário texto que insiste em La Langue, lugar onde essa fusão demanda a clínica do real. Um autêntico trabalho a ser feito pelo rastreio da posição do inconsciente, ali onde ele aparece nos efeitos desse corte.

Prof Henrique Carneiro
Início: 22/08/2016
Horário: Segundas, às 20:30hs (quinzenal)

Seminário II: Sujeito, Identidade e Identificações: afinal, o que somos? (Parte II)

Propomo-nos a aprofundar as questões do sujeito em psicanálise, a partir da problematização dos conceitos de identidade e de identificação. Afinal de contas, o que somos? Como construímos uma imagem que nos traz a sensação de sermos nós mesmos? E, nesse sentido, em meio à massificação cultural da atualidade, como podemos pensar a própria identidade do sujeito? Os fundamentos psicanalíticos sobre Narcisismo, Sexualidade, Complexo de Édipo e Significante serão revisitados, a fim de articularmos as armadilhas fomentadas pelo discurso capitalista, que influenciam a construção de diagnósticos pueris e apagam a posição subjetiva do sujeito na cena clínica.Thiago Costa Matos


Início: 24/08/2016
Horário: Quartas, às 20:30hs (quinzenal)
Seminário III: Da práxis do analista à ética trágica da Psicanálise (Parte II)
O seminário segue, a partir das articulações da leitura de “Kant com Sade” e da discussão acerca da lei do desejo, nos apontamentos sobre o savoir-faire do analista em junção com a ética do desejo. Aqui, não se trata de um conjunto de valores normativos morais do indivíduo; mas, de maneira contrária, de uma cadeia de princípios e valores subjetivos que norteiam o Sujeito ($). É disso que se trata a ética do desejo. O objetivo, então, é tomar como base a leitura do Seminário 7 de Lacan e abrir campo de reflexão sobre os paradoxos éticos na contemporaneidade. Como fica a posição subjetiva entre imperativos que tentam destituir o Sujeito? E, neste sentido, por que a experiência psicanalítica apresenta-se numa dimensão trágica?
Ricardo Maia
Início: 29/08/2016
Horário: Segundas, às 20:30hs (quinzenal)

Seminário IV: Belas Mascaradas e Belas Mortas entre a reivindicação e o impossível: Uma reflexão sobre a histeria e a neurose obsessiva na mulher.

O presente seminário tem como objetivo apresentar a produção discursiva sobre a feminilidade em Freud e Lacan. Indagando qual o não lugar da mulher e como uma mulher se designa frente ao desejo do outro na histeria e na neurose obsessiva. Para abordar a temática das possibilidades de inscrição da feminilidade é preciso antes adentrar nos estudos acerca da sexualidade feminina em Freud, problematizando a questão “o que quer uma mulher?” Tanto para a neurótica obsessiva, que se insere no campo da masculinidade, como à histérica que constrói uma mascarada do feminino. Tal indagação parte do pressuposto de que o sexo não determina categoricamente a escolha da neurose. Assim onde está o feminino na histérica ou na obsessiva? Logo, precisa-se revisitar a teoria psicanalítica sobre o que é uma mulher e a feminilidade, para posteriormente ir relativizando e tecendo as diferenciações e peculiaridades de se analisar uma mulher uma a uma.

Camila Guimarães

Início: 22/08/2016
Horário: Terças, às 20:00hs (quinzenal)
 Seminários Clínicos: mensalmente, no último sábado do mês, ocorre um Seminário Clínico. O objetivo é a apresentação e discussão de um caso proposto.
Investimento (Entrada + 2 Cheques pré-datados): 3x R$200,00 (Profissionais) / 3x R$140,00 (Estudantes-Graduação)
Observação: Interessados devem se inscrever com: Ricardo Pinheiro contato (85)98702-6898 e Camila Guimarães (85)99998-8246.
CLIO – ASSOCIAÇÃO DE PSICANÁLISE

www.cliopsicanalise.org
Av. Dom Luís, 176 / sala 1104. Esquina com rua Joaquim Nabuco.
E-mail para contato: cliopsicanalise@gmail.com